Farol de Mosqueiro

Farol de Mosqueiro
Farol de Mosqueiro

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Os Bondes de MOSQUEIRO, Estado do Pará, BRASIL

Após algum tempo sem oferecer aos leitores desse Blog uma nova publicação, recebi o texto intitulado The Tramways of Mosqueiro de autoria de Allen Morrison. Enviei e-mail para ele encaminhando uma versão traduzida do texto e solicitei sua autorização para publicá-la. Passados alguns meses, percebi que ele não leu e consequentemente não respondeu.

Considerando a grande relevância desse texto no sentido de resgatar um pouco mais sobre a rica história de Mosqueiro, considerando o papel educativo do Blog para muitos estudantes que têm consultado suas postagens e o fato de nunca ter existido fins comerciais em nossas publicações, resolvi publicar apoiado na intuição pessoal de que o Allen ficará satisfeito com a divulgação de seu trabalho.


Texto Original: Allen Morrison
Tradução: Eduardo Brandão

Em 1927, um grupo de 14 antropólogos, zoólogos, ornitólogos e outros naturalistas, associados com o Pitt Rivers Museum de Liverpool (Inglaterra), realizaram uma viagem à cidade de Manaus (Brasil) embarcados no S.S. Hildebrand, navio de mais de 7.000 toneladas da empresa Booth Line. A viagem de 18.000 km (12.000 milhas) durou 45 dias e passou pelas cidades do Porto e Lisboa, em Portugal; ilha da Madeira; em Belém, no norte do Brasil; seguindo pelo rio Amazonas até Manaus. O curador do Museu, Henry Balfour, manteve um diário da excursão e um passageiro chamado David Vladimir Gutman registrou cerca de 500 fotografias. As fotos são preservadas hoje por seu bisneto, Dave Logan, que gentilmente permitiu a reprodução de nove nesta página. O Gutman fez a foto abaixo do S.S. Hildebrand:



O navio deixou Liverpool em 12 de julho, chegando ao Porto em 15 de julho, Lisboa em 16 de julho e em 18 de julho aportou na Ilha da Madeira. Cruzar o Atlântico exigia oito dias. O navio cruzou a linha do Equador e finalmente chegou a Belém, na foz do rio Amazonas, em 27 de julho. Ele passou três noites em Belém (os ingleses chamam de Pará), em seguida, viajou quatro dias pelo Amazonas até Manaus (anteriormente escrito Manaos), aonde chegou em 2 de agosto. Havia abundância de animais exóticos e aves para ver o caminho. A linha vermelha no mapa mostra curso de 1.600 km (1.000 milhas) do navio no rio Amazonas [Bing Maps]:



Embora os bondes fossem frequentes em todos os portos que o navio havia visitado, foi somente quando o S.S. Hildebrand chegou a Manaus, que D. V. Gutman começou a fotografá-los. Ou foi as árvores, nesta rua em Manaus, que chamou a atenção dele? Os bondes estão trafegando segundo o padrão inglês, da esquerda. Seu operador, Manaus Tramways & luz co., era uma empresa inglesa. A bitola da via era um metro [D. V. Gutman]:



A segunda foto mostra a linha “Flores” de bondes que percorria a selva ao norte de Manaus. Nenhuma dessas cenas é mencionada no diário de Balfour – embora, em 5 de agosto, ele escreveu que ele e quatro outros passageiros do navio, incluindo um nomeado Gutteridge, "pegou um carro e saiu ao longo da estrada nova passando ‘Flores’ através da selva." Ele pretendia escrever Gutman? [V. m. Gutman]:



Manaus era o lugar até onde um grande navio poderia ir no Rio Amazonas e foi o ponto central da excursão. O grupo inglês começou sua viagem para casa. O S.S. Hildebrand deixou Manaus em 6 de agosto e aportou novamente em Belém, em 9 de agosto. Depois do almoço naquele dia, Balfour escreveu "fui para os escritórios da Pará Electric Tramways co. (outra empresa inglesa) e vi J. Mansell, que tinha saído no Hildebrand conosco." Foi sem dúvida através de Mansell que o grupo conheceu o carro eléctrico bonde na ilha de Mosqueiro, localizada a 25 km/15 mi ao norte de Belém. Mansell deve ter pensado que um passeio sobre os bondes de Mosqueiro proporcionaria uma agradável distração para o grupo inglês no seu último dia no Brasil:



Em 10 de agosto, Balfour escreveu: "fui às 09:00 horas com os outros em um navio para o baixo estuário do Pará, para Mosqueiro, uma pequena estância de beira-mar... Nós descemos em um píer e transferidos para dois bondes extremamente primitivos, cada um tracionado por duas mulas e fomos ao longo de uma faixa vilmente estabelecida através da selva, até o Chapéu Virado, uma vila menor pitorescamente situada ao longo de uma costa"[D. V. Gutman]:



Possivelmente foi o primeiro passeio em um horsetram para alguns dos visitantes, em Liverpool o último deixou de circular em 1898. A origem dos bondes de Mosqueiro é incerta, mas a companhia de bondes em Belém, nas proximidades, operava veículos similares e provavelmente enviou excedente para Mosqueiro [D. V. Gutman]:



Os Bondes de Belém tinham sido fabricados na década de 1870 e 1880 por John Stephenson co. em Nova York e na década de 1890 por J. G. Brill co., na Filadélfia. A fotografia abaixo, tirada em sua fábrica em Nova York, mostra um carro que John Stephenson construiu para Belém na década de 1880 (bond ou bonde é a palavra exclusivamente brasileira para carro eléctrico) [Col. Museu da cidade de Nova York]:



A nova empresa tinha laços com a Empresa de Mosqueiro e inaugurou sua linha de bondes tracionados  por animal, do porto de Mosqueiro para Chapéu Virado, em 10 de janeiro de 1904. A linha foi estendida mais tarde à Vila do Carananduba, uma distância total de cerca de 10 km. Balfour continua: "alguns de nós tomou banho, enquanto eu fazia um passeio ao longo da costa... Voltamos para Mosqueiro da mesma forma para os bondes." Aqui está outro ponto de vista muito bem colocado do grupo inglês. Este trem é assinado "RESERVADO" (reservado). Parece que o grupo mudou de veículos várias vezes durante o dia [D. V. Gutman]:



Esta fotografia mostra algumas das casas na área residencial da ilha. Hoje é uma rua ampla chamada Av. 16 de Novembro [ver final da página]. A bitola do carro elétrico de Mosqueiro é desconhecida, mas, se adquiriu veículos de Belém, provavelmente era a mesma: 750mm/29,5 in [D. V. Gutman]:



Ampliação da imagem anterior [D. V. Gutman]:



Balfour: "em um tapume, as rodas dianteiras do nosso bonde saíram fora das linhas e nos assustou  com o acidente. Levamos uma boa sacudida." A foto mostra o que poderia ser a estação do Chapéu Virado. A mulher aparece pronta para retornar a Belém [D. V. Gutman]:



"O carro, eventualmente, levantou e voltou para as linhas e nós passamos, mas parei para ver como se sairia com outro bonde se isso voltasse a ocorrer..." [V. m. Gutman]:



"Ele fez – primeiro as rodas dianteiras e depois as traseiras pularam fora da pista e despenharam-se as travessas. Ele, também foi levantado e voltou para a pista, conseguimos chegar ao Mosqueiro com apenas um acidente a mais, para o eléctrico que seguia vilmente orientado. As mulas, enquanto puxavam na tentativa de voltar, numa curva apertada, faltava um poste de ferro, esmagando os traços e soltando as mulas. Nós andamos de lá para o cais!" [V. m. Gutman]:



Henry Balfour não relata os pensamentos finais sobre a aventura de Mosqueiro. O Hildebrand partiria de Belém no dia seguinte, 11 de agosto, e retornou para Liverpool em 26 de agosto.


A FROTA DE BONDES

De outra excursão, temos a imagem abaixo – data e fotógrafo desconhecido – é a melhor ilustração de um bonde de Mosqueiro que o autor poderia encontrar no Brasil. Número de frota "8" não foi visto em fotografias do Gutman – embora, claro, o número foi obscurecido em muitos pontos de vista. Com provavelmente oito desses veículos, numerados de 1 a 8, que foi inaugurada a linha de bonde em 1904 [Col. AM]:



No entanto, em 19 de junho de 1912, a empresa de Mosqueiro - EBM encomendou dois bondes com 2 bancos, número de ordem 18405, J. G. Brill co., na Filadélfia. Um deles recebeu o número "9". Tais veículos foram provavelmente usados em ocasiões especiais ou como carros de inspeção pela administração [Col. AM]:



E em 16 de setembro de 1913, a EBM encomendou este carro de plataforma na Filadélfia, ordem Brill 19121, que estranhamente recebeu o número "3". Tal compra foi, possivelmente, uma medida de economia: o dinheiro da empresa economizado na transação serviu completar a construção pela própria empresa, embora o chassi aqui tenha pouca semelhança com o chassi do "3", fotografado por D. V. Gutman em 1927 [Col. AM]:



Próximo à linha do Equador, a tração animal ao nível do mar foi cruel e impraticável e em 1931, quatro anos após a excursão inglesa, Mosqueiro substituiu suas mulas por uma locomotiva a vapor. Sua origem é incerta, mas a "Pata Choca", como era denomida, parece um produto da empresa francesa Société Decauville. Os carros de passageiros parecem ser os bondes anteriores. A julgar pela roupa das mulheres, a foto abaixo foi tirada em 1932 ou 1933 [Col. Luiz Anciães]:



A estrada de ferro continuou a operação até a década de 1940. O destino final da locomotiva e dos carros de passageiros é desconhecido.


A foto abaixo mostra o portal localizado no centro da ilha, onde a rodovia PA-391 que dá acesso a Belém se divide – direito para o bairro do Carananduba, virando à esquerda para o Chapéu Virado:



Este Google "Street View" mostra como a rota de bonde parece hoje. Nenhum vestígio do antigo bonde, nem de nenhuma das estruturas que uma vez serviram para o seu funcionamento podem ser encontrados hoje na Av. 16 de Novembro. Hoje a população está concentrada mais ao norte da ilha.



Além de Henry Balfour e David Vladimir Gutman, o autor deseja expressar sua gratidão a Graeme Pilkington da Inglaterra por fornecer as informações e as imagens da excursão do 1927. O autor também, é claro, se sente em débito com Dave Logan por preservar fotografias maravilhosas do seu bisavô e conceder permissão para reproduzi-las. M. V. Gutman morreu logo após a excursão, atropelado por um bonde em Liverpool. Henry Balfour morreu em 1939.


Copyright © 2017-2117 Allen Morrison
Todos os Direitos Reservados

segunda-feira, 22 de junho de 2015

A Experiência do Instituto Ampliar



Algum tempo atrás, colaborei com um programa institucional da Universidade Federal do Pará – UFPA, idealizado pelo então Reitor, Professor Cristovam Wanderley Picanço Diniz. O PROINT era um programa que incentivava o desenvolvimento de projetos acadêmicos que integravam Ensino, Pesquisa e Extensão. Foi nesta oportunidade que conheci a Professora Fátima Carneiro pelo fato desta submeter o Projeto Ampliar à avaliação dos consultores contratados. Depois disso uma forte amizade e o respeito mútuo surgiu entre nós.

Aquele que surgiu como projeto acadêmico cresceu, tomou corpo e se transformou em uma ONG denominada Instituto Ampliar voltado para ações de caráter socioambiental na região do Maraú, Caruara e Paraíso, Distrito do Mosqueiro. Nesta publicação o leitor do Blog Mosqueiro Pará Brasil poderá conhecer a importante participação do Instituto Ampliar que reputo de grande valia para o desenvolvimento local.

História

A criação do Instituto AMPLIAR - teve origem em um Projeto de Extensão Universitária da UFPA do então CFCH: o “Projeto AMPLIAR: Arte Educação e Questão Ambiental nas praias de Caruara Marahu e Paraíso na Ilha de Mosqueiro Belém -PA desenvolvido entre 1998 – 1999.



Em dezembro de 2000 foi criado como ONG voltada para o desenvolvimento e preservação das comunidades amazônicas. Desde então a ONG mantem-se legalizada segundo as leis brasileiras com mandato de três anos para uma diretoria de cinco membros. Obteve o Reconhecimento de Utilidade Pública para o Estado do Pará em 27 de agosto de 2013 pela Lei Estadual nº 7 729. Obteve o Reconhecimento de Utilidade Pública para o Município de Belém em 11 de dezembro de 2013 pela Lei Municipal nº 9.044.



Pelos seus estatutos tem o foco na preocupação ambiental e na valorização artística tendo se dedicado, nos últimos dez anos, à montagem da “BIBLIOTECA COMUNITÁRIA BRUNO FENZL” com arrecadação de livros usados e objetivo de estimular a leitura entre crianças e jovens das comunidades de Mosqueiro. Em Convênio com o Ministério da Cultura tornou-se o “Ponto de Cultura Ampliarte” entre 2007 e 2008 e continua reconhecido como tal. Através de parceria com a entidade católica austríaca FASTENAKTION construiu sua sede em Mosqueiro que permite o desenvolvimento de múltiplas atividades. Uma rede solidária de amigos austríacos oferece mensalidades e submete as demandas do Instituto à entidade católica EMMAUS de St. Pölten que tem nos oferecido generosas contribuições financeiras. Além das contribuições de sócios e colaboradores prevista nos Estatutos o Instituto assegura a manutenção própria e o desenvolvimento de suas atividades com base na venda de roupas usadas no Brechó AMPLIAR e de mudas de plantas ornamentais produzidas em sua sede própria usando a compostagem.



Parcerias importantes permitem atividades regulares com o CENTUR-Fundação Cultural Tancredo Neves do Governo do Estado; com o Curso de Biblioteconomia da UFPA-Universidade Federal do Pará para catalogação de livros e disposição técnica do acervo da Biblioteca e com a EMATER-PA – Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural para orientações no preparo da Horta e do Pomar.

Atividades desenvolvidas pelos grupos permanentes em 2014.

GRUPO DE PRODUÇÃO DE ARTESANATO – mulheres da comunidade aprendem e praticam o artesanato em tecido usando a pintura; o bordado e a costura confeccionando peças como bolsas e utilitários para serem vendidas em Feiras e no local beneficiando cada uma das artesãs do grupo.





GRUPO DE HIP HOP – grupo de jovens praticam e ensinam a DANÇA DE RUA como ocupação e desenvolvimento de habilidades que os leva a se exibirem em praças públicas e campeonatos e se valorizarem como grupo artístico.



PROGRAMA NAVEGA PARÁ – oferece internet para a comunidade e dispõe de um Bolsista capacitado para atender os objetivos do Programa, em Convênio com o Governo do Estado.

PROJETO MUDAS E HORTALIÇAS – utiliza os resíduos domésticos do local na prática da compostagem e busca alcançar resultados para o auto abastecimento e para comercialização com assistência técnica da EMATER-PA – Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural.



PROJETO SALA DE LEITURA – oferece dinâmicas de leitura aos sábados para grupo de crianças e adolescentes e procura aproximação com os pais para discussão de temas educacionais.

PROJETO TAGARELA – leva atividades do Projeto Sala de Leitura para Eventos locais e para as diferentes Comunidades. O Projeto “Aluno Nota Dez”, de responsabilidade do Prof. Hugo, em parceria com o Quartel da Polícia Militar de Mosqueiro, está solicitando ação do Projeto Tagarela/AMPLIAR para aquele Projeto, que atende atualmente cerca de sessenta (60) crianças.

BIBLIOTECA COMUNITÁRIA “BRUNO FENZL” – em parceria com o CENTUR-Fundação Cultural Tancredo Neves e com o Curso de Biblioteconomia da UFPA-Universidade Federal do Pará desenvolve a catalogação de livros e a disposição técnica do acervo. Está aberta ao público carecendo ainda de pessoal técnico permanente.



GRUPO DE MÚSICA – teve início no segundo semestre de 2014 com o maestro Jean Freitas ensinando iniciação à teoria musical. O trabalho objetiva organizar uma Banda
e para isso está em andamento uma campanha para angariar instrumentos musicais usados.

CURSO DE OPERADOR DE CAIXA – curso de pequena duração que capacita para o
mercado de trabalho e atende o interesse de jovens.

BRECHÓ AMPLIAR – arrecada e higieniza roupas usadas para venda a preços bem acessíveis, em seu espaço próprio, atendendo o público diariamente.




Outras atividades não permanentes.

Em parceria com o Instituto IBECA ofereceu cursos de Manutenção de Computadores e Operador de Caixa.

Em parceria com o Mestrado em Agriculturas Familiares e Desenvolvimento Sustentável da Universidade Federal do Pará realizou o Seminário da Disciplina Organizações Camponesas e Patronais no Meio Rural Brasileiro no dia 14 de agosto, em Mosqueiro, organizado pelos Professores Gutemberg Armando Diniz Guerra (UFPA) e Fátima Carneiro da Conceição (Instituto AMPLIAR), com participação de membros do Instituto, lideranças do meio rural e alunos do referido Curso.

Em parceria com o Projeto Cidadania, da Secretaria de Justiça do Estado do Pará, realizou AÇÂO SOCIAL em Mosqueiro, na sua sede, para emissão de documentos essenciais (Certidão de Nascimento - 2ª via, Registro Geral, Carteira do Trabalho), no dia 07 de novembro, alcançando a meta de 400 documentos emitidos ou encaminhados, atendendo cerca de 500 pessoas dos mais diversos bairros. O Instituto AMPLIAR apoiará novamente o Projeto Cidadania que repetirá a AÇÂO SOCIAL no Bairro de Sucurijuquara, em Mosqueiro, no dia 19 de dezembro, em parceria com igrejas e associações.

Necessidades do Instituto Ampliar atualmente.

VIABILIZAR AS ATIVIDADES PLANEJADAS: Oficinas de Capoeira; Corte e Costura; Reforma e Customização de Roupas; Serigrafia. IMPLEMENTAR UMA BRINQUEDOTECA.

EXECUTAR A REFORMA DO BARRACÃO: esta é uma demanda inesperada para a Diretoria, pela grande urgência na reforma de seus esteios, danificados pela umidade. A substituição recomendada dos esteios do Barracão é com o uso do concreto.

Equipe do Instituto Ampliar.

Michele Taciane Neves dos Santos
Rosenil Silva Costa
Eliane de Fátima Cardias Lima
Fabrício dos Anjos Martins
João Cabral de Souza
João Batista da Silva Moraes
Conceição Marques
Raimundo Eloy Pamplona dos Santos
José Augusto Maia Borges
Marcus Vinicius Malcher
Núbia Vasconcelos
José Nascimento Ribeiro
José Queiroz Carneiro
Jorge Campos
Erivelton Souza Moraes

Diretoria do Instituto Ampliar.
Diretor Presidente Profa. Dra. Ma. de Fátima Carneiro da Conceição
Diretor Adjunto: Prof. Mestre Marcus Wilke Silva Lima
Diretor Financeiro: Profa Mestra Marlene Nascimento Cruzinha
Diretor Secretário Geral: Profa. Mestra Maria da Conceição Cabral
Diretor Técnico: Beatriz Carneiro da Conceição
Diretor Suplente: Edgar Paiva Ataíde

Membros do Conselho Fiscal

Jamerson Monteiro Rodrigues Viana
José dos Santos Ribeiro
Adrianus Jacobus Augustus Verberg

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Mosqueiro visto do alto.

As fotos abaixo foram feitas por ocasião dos estudos técnicos realizados para a revisão do Plano Diretor de Belém. A partir de agora ficam disponíveis aos leitores do Blog Mosqueiro Pará Brasil e a todos que gostam deste lugar e não tiveram a oportunidade de vê-lo por este ângulo.

Trapiche da Vila do Mosqueiro

Trapiche da Vila do Mosqueiro

Bairro da Vila, em Mosqueiro

Praia do Bispo

Praia do Bispo

Pria do Bispo

Praia Grande

Praia Grande

Farol de Mosqueiro

"Ilha dos Amores" na praia do Farol

"Ilha dos Amores" na praia do Farol

Praia do Farol

Praia do Chapéu Virado

Praia do Chapéu Virado

Praia do Chapéu Virado e enseada do Porto Arthur

Enseada do Porto Arthur

Início da Praia do Murubira

Praia do Murubira

Praia do Murubira

Praia do Murubira

Praia do Ariramba

Praia do Ariramba

Praia do Ariramba

Praia do Ariramba

Praia do Ariramba

Ponta da EMBRATEL

Ponta da EMBRATEL

Ponta da EMBRATEL

Perspectiva da orla do Ariramba até o Farol

Praia do São Francisco

Praia do São Francisco

Praia do São Francisco

Foz do Rio Cajueiro

Foz do Rio Cajueiro

Praia do Carananduba

Praia do Carananduba

Praia do Bosque

Praia do Bosque

Praia do Bosque

Praia do Bosque

Praia do Maraú

Praia do Maraú e ao fundo a Praia do Bosque

Praia do Maraú

Praia do Maraú

Praia do Caruara

Praia do Caruara

Praia do Paraíso

Praia do Paraíso

Praia do Paraíso

Praia do Paraíso

Praia do Paraíso

Praia do Paraíso

Praia do Paraíso

Praia do Paraíso

"Ilha do Maracujá", ao fundo a Praia do Paraíso

Baía do Sucurijuquara

"Fazenda Paysandú" na Baía do Sucurijuquara

Ponta da Conceição

Ponta da Conceição

Baía do Sol

Praia Grande da Baía do Sol

Praia Grande da Baía do Sol

Praia Grande da Baía do Sol

Praia do Bacuri na Baía do Sol

Vila da Baía do Sol

Vila da Baía do Sol

Vila da Baía do Sol

Vila da Baía do Sol

Baía do Sol

Baía do Sol

"Ponta do Queimado" na Baía do Sol

Ilhas do Furo das Marinhas

Ilhas do Furo das Marinhas

Ilhas do Furo das Marinhas

Ilhas do Furo das Marinhas

Ilhas do Furo das Marinhas

Ponte sobre o Furo das Marinhas

Ponte sobre o Furo das Marinhas

Ponte sobre o Furo das Marinhas

Furo das Marinhas

Ilha de São Pedro no Furo das Marinhas

Ilha de São Pedro no Furo das Marinhas